Alô Amigo!

A semana foi de despedida e de apresentação de ex-profissionais que entraram na história do Santos Futebol Clube nos últimos anos. Os dirigentes santistas surpreenderam e iniciaram uma movimentação significativa no elenco atual.

Desde o anúncio da negociação de Neymar com o Barcelona o futuro do Peixe ficou muito duvidoso, para todos que apreciam o time da Baixada Santista e, gostam do futebol como um todo. Foi deste time que tivemos algumas das ultimas revelações, do esporte mais popular do país, por três anos consecutivos todos os holofotes estavam direcionados para um menino que se tornou o craque da atualidade.

A saída de Neymar poderia dar fôlego financeiro para o time já que vendeu o atacante para o futebol espanhol e no ano passado vendeu Paulo Henrique Ganso para o São Paulo, porém não é isso que estamos vendo nos noticiários.  A economia se tornou a prioridade da diretoria que quer evitar todos os prejuízos futuros sem o craque Neymar. A reformulação iniciou de forma drástica e sem planejamento. O primeiro passo, se correto ou não, foi demitir o técnico Muricy Ramalho e em seguida negociar o zagueiro Durval, com o Sport-PE.

Será que essa demissão de Muricy foi decisão mais coerente? Acredito que não, pois o treinador poderia ajudar nesta nova fase administrativa e, principalmente, na construção de um novo time. De repente, os dirigentes apenas observaram o alto salário recebido por ele. Todavia, mandaram embora e continuarão pagando os vencimentos do treinador até o final do ano. Convenhamos, porque não utilizá-lo?

Ficou claro que o Santos perdeu a “fórmula eficaz de administrar” e tornou-se semelhante aos dirigentes comuns de qualquer outro clube de futebol. A mediocridade dos administradores de clubes demostra que é fácil trabalhar com altas cifras, mas é muito complicado quando se têm adversidades e limitações eminentes.

Cadê aquela gestão que foi se tornou um Case de Sucesso? Será que realmente foram competentes na administração do Santos como vimos nestes três anos ou simplesmente, Neymar, Ganso e Cia. fizeram a diferença e mascararam as falhas administrativas?

Se refletirmos tudo que foi feito até aqui, a única ação mais convencedora foi a permanência de Neymar até a metade de 2013. Mas isso é ter êxito? Lógico que não, fizeram apenas o básico dos conceitos da ciência Administração.

Eu concluo diante dos fatos apresentados, que o Santos não pode ser considerado o “Case de Sucesso” que enaltecemos durante os últimos anos. Qualquer um faria o que foi feito, pois bastava ter o ciclo de amizade e de bons relacionamentos, que possui o presidente Luiz Alvaro Oliveira Ribeiro, para trazer recursos financeiros ou investidores para segurar, até então, o Neymar.

Torcedor santista, agora é ter paciência e torcer para o atacante Neilton siga os mesmos passos de Neymar, Robinho e Diego. 

Sidney Botelho é patrocinado pelo SB Consultoria em Eventos – telefone: 11-26599444

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

*

code