Alô Amigo!

O ano esta chegando ao seu final, mas o futebol não. Pensar que para alguns clubes o planejamento de 2014 dependerá da Justiça Desportiva, que mais uma vez vai trabalhar muito para definir os clubes que irão disputar a Série B.

A polêmica da semana veio, justamente, a contestação da CBF perante uma falha estratégica da Portuguesa, que na ocasião colocou em campo o atleta Hérverton que estava suspenso e  impedido de participar da partida, porém não foi o que aconteceu e os portugueses deram precedência  para que os juízes do nosso futebol decidam, por intermédio de suas interpretações jurídicas, quais clubes permanecerão na elite.

Não só a Lusa pode perder os pontos, o Flamengo que também foi desorganizado, repetiu o mesmo ato ao colocar o lateral André Santos em seu respectivo jogo.

Mas ainda tem a decisão da briga dos marginais do Vasco da Gama e Atlético-PR que podem perder mandos de jogos e, no caso do time paranaense pode até perder os pontos da partida, pois o árbitro reiniciou a partida com treze minutos a mais do permitido no regulamento.

Bem, os beneficiados com tudo isso podem ser Fluminense e Vasco da Gama e os prejudicados direto Portuguesa e Flamengo que seguiriam os destinos de Ponte Preta e Náutico.

Nos dias atuais não podemos mais permitir erros drásticos e grosseiros como esses que tivemos, no quesito administrativo. Do que adianta treinar, jogar e ganhar e no final não podemos comemorar, já que os responsáveis pela papelada que nunca são acionados, erram de certa maneira que coloca tudo por água abaixo.

Quando digo erro grosseiro, quero deixar claro que são inúmeras pessoas para verem esse tipo de habilitação para que o atleta esteja em campo em uma determinada partida. Dirigentes, comissão técnica, jogadores, gandulas, roupeiro, até o pasteleiro do estádio sabe quem esta liberado para jogar.

Eu sou adepto do correto, se o jogador estava suspenso e jogou deve-se punir o clube com a regra do começo da temporada, mas cabe saber se realmente todos os recursos para aquela punição foram executadas. Não podemos ser injustos com que há de direito e cabe aqui a melhor intepretação dos fatos.

Outro ponto que é importante reforçar aqui é a neutralidade dos juízes e advogados que muitas vezes se demonstram tendenciosos a uma parte e são benevolentes com outras. E os juízes não devem expressar opiniões antes do julgamento e do veredito final. Tal como, o procurador Paulo Schimdt fala uma coisa hoje a amanhã com mais entendimento diz outra.

Referente a confusão dos desordeiros do jogo de Joinville, eu tiraria 20 pontos de cada um dos clubes envolvidos por serem reincidentes na competição e assim os próprios dirigentes aprenderiam a controlar os seus aficionados.

Não podemos mais permitir barbáries como as de domingo passado, pois já disse muitas vezes aqui e nos microfones nos quais eu tenho a oportunidade de me expressar, enquanto os patrocinadores não tomarem a iniciativa de deixarem de lado o futebol e NÂO estamparem suas as logomarcas na camisa de um determinado clube, por esses motivos, não teremos prazer de vermos arquibancadas lotadas de pessoas que realmente amam o clube.