Alô Amigo! A maior humilhação passada pelo futebol brasileiro ocorreu justamente na Copa do Mundo, em que nós organizamos, e tudo estava em perfeitas condições o time era fraco mas mesmo assim estava atuando e agradando a sua torcida, até encontrar um time de grande porte, ao contrário do nosso, bem estruturado, e vimos o que aconteceu uma goleada histórica para ficar registrada para sempre nas nossas memórias.

Muito se falou de apagão, porém no futebol não existe apagão existe planejamento, estrutura, conhecimento, existe um trabalho eficaz e muita dedicação. Fato que isso não teve na nossa seleção.

Ao contrário de 2006, nossa seleção brincou pela juventude, os treinadores que estavam no comando não conseguiram mostrar o talento, ou melhor dizendo, as experiências deles no futebol. Felipão, Parreira e Murtosa estão ultrapassados e precisamos de gente nova. Mas quem viria para nos salvar? Não existe um salvador, apenas existe uma mudança geral de cultura como a Alemanha fez em 2006.

Não culpo os jogadores e sim, quem está à frente dos jogadores por que são os responsáveis. Da forma que perdemos para os alemães é inadmissível, isso não existe de forma alguma e não dá para tolerar uma goleada vergonhosa.

Se o Brasil queria apagar o fantasma de 1950 conseguiu e a partir de agora, todos lembrarão do fantasma 2014.

Felipão, Parreira, Marco Polo del Nero e Marin conseguiram manchar uma Copa maravilhosa em nosso território, uma Copa que ficaria para sempre registrada nos corações de milhares de torcedores que invadiram o nosso país para conhecer a alegria e a felicidade do brasileiro.

Não podemos dizer que já é passado não que este problema, essa diversidade, nós tenhamos sempre em mente para cobrar a política, cobrar o futebol porque assim queremos crescer e tornar um país de primeiro mundo.

Eu realmente me senti triste, envergonhado mas ao mesmo tempo feliz por que serviu para quebrar estereótipos e pessoas arrogantes intoleráveis como o senhor Luiz Felipe Scolari.

Faltou humildade e a humildade foi demonstrada pelo Neymar nas suas declarações de um dia após a eliminação do Brasil se todos pudessem ter a hombridade que esse menino teve,  hoje o brasileiro estaria mais tranqüilo porque teria ouvido a verdade dos comandantes que estiveram a frente da nossa seleção.

Agora é bola pra frente vamos começar de novo e 2018 está aí, mas a festa não será mesma e  o torcedor não vai parar os seus afazeres para se dedicar cem por cento a nossa seleção e olha que nos últimos meses o brasileiro voltou a amar a camisa verde amarela.

Bom domingo e na final Argentina e Alemanha que vença o melhor e a melhor na atualidade é a Alemanha.

Sidney Botelho é mestre de cerimônias e celebrante – saíba mais no www.sidneybotelho.com.br