Alô Amigo! Neste domingo o futebol brasileiro chega a mais um marco de sua história e, para muitos, indiferente da rivalidade, demonstra que não teremos outros momentos iguais este nos dias atuais, principalmente pelo que o futebol se tornou, ou seja, capitalista ao extremo, quando o que fala mais alto é um bom contrato do que propriamente o amor à camisa do clube o qual se defende.

E depois de décadas um jogador conseguiu quebrar a marca do maior exemplo que o futebol já teve, o Rei Pelé. Este é querido por todos e como todos sabem, parou guerras para que fosse apreciada a magia de jogar futebol. Com a camisa do Santos Futebol Clube atuou em 1116 jogos, sendo sempre com mestria.

Mas o nome da atualidade é Rogério Ceni, considerado um mito para os são-paulinos e na tarde deste domingo ultrapassa a marca de Pelé chegando a 1117 partidas com a camisa do São Paulo Futebol Clube.

Rogério é muito mais que um goleiro, ele é o maior goleiro-artilheiro da história do futebol, é o capitão do Tricolor há mais de uma década e a sua liderança transcende todas as esferas do gramado.

Ceni é sem dúvida um exemplo de dedicação e profissionalismo, mesmo diante das críticas de que ele deveria se aposentar por viver um mau momento, neste ano de 2013, por errar quatro pênaltis consecutivos e irritar a sua torcida. Mas debaixo do gol é, ainda, incontestável. Possui preparo físico para mais uma ou duas temporadas.

Aposentar? Talvez! Mas consegue jogar em alto nível, por que não ir em frente?

Sei que é difícil tomar essa decisão, mas para os aficionados a permanência seria o mais ideal, diante das circunstâncias que vive e a saudade que deixará para os que amam o futebol romântico. Ah, futebol romântico é quando um jogador se dedica por toda a vida ao clube de coração, mas amigo… Isso está em extinção!