Alô Amigo! Mais uma semana se termina e temos os clubes pensando no ano de 2014 e, consequentemente esquecem que ainda vivem o ano de 2013 aos trancos e barrancos, indiferente do elenco que possuem – bons ou irregulares.

Escrevi irregulares, pois muitos deles possuem elencos de muita qualidade e essa mesma qualidade não foi demonstrada nas competições do ano que esta chegando ao fim.

As duvidas que passam na mente são sobre o planejamento dos dirigentes e performance individuais de cada atleta e integrante da comissão técnica.

Vimos, neste Campeonato Brasileiro que esta chegando ao seu fim, os atuais campeões nacional e mundial, respectivamente Fluminense e Corinthians, em situações contraditórias ao ano anterior. Para relembra-lo, amigo torcedor, os dois clubes foram exemplos de boas gestões e planejamentos, se comparados com os adversários.

Todavia, a mesma estratégia, de 2012, não foi a ideal para que colhessem resultados significativos e esperados pelos torcedores. Os times fizeram ajustes, trouxeram atletas consagrados e outros não tão consagrados assim, para que a manutenção fosse adequada para repetir os feitos alcançados anteriormente. Cabe uma pergunta – Se deu certo uma vez, por que não deu agora? O que todo administrador sabe que uma estratégia hoje pode não ser a melhor estratégia no futuro.

Ficou claro que sempre é bom mudar para alcançar novos resultados. Como se diz no mundo corporativo, os clientes estão mais exigentes e querem o melhor sempre, ainda mais quando se oferecem bons produtos. A expectativa é maior quando e quando não se oferece aquilo que esperado, a frustração é gigantesca.

A comparação feita é para que eu consiga mostrar que o torcedor esta mal-acostumado e espera sempre o melhor do clube quando o clube chega ao topo maior do futebol, e no caso dos times paulista e carioca, eles foram ao extremo e agora sofrem com as cobranças dos seus aficionados.

Como resolver o problema? Reuniões para avaliar os pontos fortes e fracos, definir metas para os operários (jogadores e comissão técnica), substituir quem não esta rendendo o esperado para o projeto atual e, assim traçar pequenos objetivos e  diante deles reconquistar o torcedor.

Para o Timão, a solução é refazer o time e montar um mais jovem, porém competitivo. Não esquecer que em todas as reformulações se requer adaptações e, isso tem que ser demonstrado para o torcedor, que deverá ter paciência até os frutos serem colhidos. Trazer o Mano Menezes para o lugar do Tite, já falei muito sobre esse tema aqui, não vejo o ex-treinador da Seleção Brasileira o “cara” ideal para assumir o time de Parque São Jorge. A solução corinthiana é apenas reformular o elenco e não o comando técnico.

Para o Fluminense, já tenho uma visão diferenciada, creio que o Vanderley Luxemburgo esta obsoleto e não agrega mais para o futebol. Foi assim em todos os clubes que passou nos últimos anos e em todos os casos, os times não tinham esquemas definidos e os atletas não assimilavam as orientações do professor. Para o treinador é hora de se aprimorar ou até mesmo arriscar uma carreira internacional para dar aquela guinada nos seus projetos.