Alô Amigo!

Nesta semana os clubes brasileiros, especialmente São Paulo e Santos, fizeram viagens para a Europa e no caso do time da Capital Paulista, Japão também. O objetivo é crescer a marca perante ao cenário mundial. Por o que vimos, foram cenas de humilhação diante espectadores que nunca esquecerão os adversários que estiveram em seus países, mas não nos aspectos do legado deixado e sim, pela péssima performance apresentada pelos jogadores do país do futebol pentacampeão.

Mas vem uma pergunta na cabeça, será que realmente era preciso fazer amistosos nesta época do ano com os clubes em momentos delicados no campeonato local? Se pararmos para analisarmos a tabela de classificação do campeonato nacional, eu afirmaria que não, porém muito se é solicitado pelos clubes sobre essas oportunidades de excursionarem e, com isso eu concordo que devem disputar os torneios internacionais para elevar o nome em outros países, mas sempre com cautela e que colha frutos positivos no futuro, principalmente com alguma negociação de atletas.

Outra pergunta que precisa ser feita é se os clubes precisam fazer amistosos para manter uma imagem positiva no exterior, por que não se preparam para tal, então? É muito relativo esse tema, pois os clubes não sabem o que terão pela frente e não montam times, no mínimo, competitivo. Nem vou comentar o que falta para os clubes, porque muitos dirigentes fogem do básico de um administrador, que é o planejamento de curto, médio e longo prazos.

O São Paulo esta na Europa e disputou jogos contra Bayern de Munique, Milan e Benfica e não tirou proveito da oportunidade, já que o time esta em profunda crise e não vence a muito tempo. Os tropeços fazem aumentar a insatisfação dos torcedores, sem falarmos das cobranças por resultados e desempenho convincente. Na minha opinião, a diretoria errou feio, mas depois que agendou não pode quebrar o acordo, mas poderia mandar o elenco Sub-20 ou os reservas com Ganso e Rogerio Ceni no pacote para essas disputas. Pelo menos cumpriria o contrato com os organizadores e não se prejudicaria no Brasileirão.

 E o que escrever do Santos? O vexame foi maior ainda, parece que ninguém aprendeu nada com a derrota , para o Barcelona, no Mundial de 2011. O placar foi ainda mais elástico, no popular do futebol, o chocolate de 8 a 0 na estreia do seu ex-atleta Neymar. A goleada, apenas resultou na questão de se repensar na possibilidade de cancelamento do amistoso aqui no Brasil, pois a cada jogo dobra o placar final. Logicamente, estou comentando do lado negativo que ficou para o Peixe em terras catalãs, todavia em relação a termos o amistoso aqui no Brasil é somente para agradar a torcida que se encantaria com o melhor time do mundo e para que o jogo seja comentado as nossas crianças pelo resto da historia alvinegra praiana.

 Amigo torcedor, perder faz parte do esporte ou de qualquer competição, mas se podermos evitar nos preparando é sempre bom para motivar e aumentar a credibilidade com os adversários, valorizando ainda mais os torneios que venham disputar. Que esses amistosos vexatórios sirvam de exemplos para quando no planejamento constar excursões em outro Continente, os dirigentes dos clubes lembrem-se de contratar atletas compatíveis aos adversários que enfrentarão para não mancharem ainda mais o nosso futebol.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

*

code