Neymar Jr vive o seu mundo de Bob!


Alô Amigo!

O ano de 2019 chegou na sua metade e os personagens e histórias permanecem as mesmas, na política a reforma da previdência esta se avançando de forma gradual, enquanto no futebol o protagonista de polêmicas é o atacante Neymar Jr.

Quando deveríamos comentar sobre o dom futebolístico do atleta, sempre nos referimos sobre temas que contradizem o bom-senso e a ética profissional.

O período inicial deste ano foi marcado por contusão, agregação a torcedor, acusação de estupro, corte da seleção e agora, a ausência na reapresentação ao Paris Saint-Germain.

Eu não sei o que passa na cabeça dos seus agentes, pai-empresário, assessores, qualquer tipo de profissional que administra a carreira deste “homem”, não mais criança, como gostam de se referir ao “profissional” de 27 anos. É muito incoerente ver alguém desrespeitar um contrato e por sinal, deixar de lado todo investimento feito para que ele vestisse a camisa e exercesse o seu ofício defendendo o clube parisiense.

Particularmente, eu me sinto incomodado a maneira que muitos atletas tratam os clubes e principalmente as pessoas que se empolgam nas arquibancadas, vibrando sabendo que o seu time trouxe um jogador fora de série e que pode ajudar a ter títulos, até então distantes de serem conquistados. O respeito de alguns não condiz com os valores que são ensinados para termos ambientes de harmonia e paz.

No futebol é muito comum se o jogador estiver insatisfeito com algo pedir para sair ou não mais se dedicar como deveria, ou seja, uma profissão de vaidade. Creio que muitos trabalhadores, mesmo desgostosos com seus empregadores, manteriam a postura e o profissionalismo por questão de hombridade, porém no esporte mais popular do planeta, isso não se faz presente, porque o dinheiro fala mais alto e o contratado não esta nem aí para o próximo.

Não será a primeira vez que Neymar Jr é hipnotizado pelas cifras milionárias, pois quando ainda no Santos fez de tudo e um pouco mais para deixar a equipe brasileira para seguir ao Barcelona. Não muito diferente, quando esta na equipe espanhola, não pensou no seu futuro e se transferiu para o time francês deixando torcedores e jornalistas irritados com a atitude. Agora, o clube antecessor deseja tê-lo de volta, dirigentes catalães deixaram o cargo não aprovando o retorno, os proprietários do PSG querem garantias financeiras, o dirigente, ex-jogador e brasileiro Leonardo já deixou claro que a desobediência do atacante terá represálias.

Cabe a reflexão – Até quando vamos ver uma carreira desestruturada seguir impune? Até quando os clubes ficarão na mão do marketing ao invés do resultado dentro de campo? Quando os dirigentes vão tratar atletas como profissionais e cobrá-los como colaboradores, igual a qualquer empresa? Até quando o Neymar Jr vai brincar com as pessoas?

São questionamentos que, pela idade, o próprio Neymar Jr tem que se explicar. Todavia, ele se esquiva e foge do embate, sabendo que as suas opiniões são respondidas pelo pai e seus assessores. É um ser-humano sem nenhuma credibilidade fora de campo e ninguém vê isso, consequentemente ao término da sua carreira dentro de campo, assumirá algum cargo de comentarista em alguma emissora de TV, por ter patrocínios milionários de empresas multinacionais que pensam que ele é referência de ética e cidadania.

Para atualizar a negociação, o Barcelona quer o atleta, pois se o Messi pede os dirigentes aceitam o pedido do craque e com isso a moeda de troca será as transferências dos atletas Phillipe Coutinho, Ousmane Dembelé, Samuel Umtiti e Nélson Semedo mais uma quantia financeira. O time francês afirma que a soma dos salários ultrapassa o valor pago para o atacante.

Eu apenas, resumo tudo isso acima, como LAMENTAVEL!

FOTO: Neymar Jr – Getty Images