Ei treinador, passe no RH!

Foto: Flávio Hopp

Alô Amigo!

Nesta semana muita coisa mudou nos times brasileiros, principalmente no comando técnico de alguns clubes tradicionais do Brasileirão. O curioso é que muitas vezes o problema não está no comando, mas nas atitudes dos atletas, que não entendem as orientações passadas pelos  próprios treinadores.

A quinta-feira, dia 26, foi marcada pelas demissões de Cuca no São Paulo, Rogério Ceni, no Cruzeiro, e também de Osvaldo Oliveira, no Fluminense, sem contar o pedido de demissão do coordenador técnico do tricolor paulista, Wagner Mancini.

Vamos começar com a equipe das Laranjeiras, o treinador até então Osvaldo de Oliveira, fez uma substituiçãoe tirou Paulo Henrique Ganso, que demonstrou totalmente insubordinação ofendendo o comandante e ao mesmo tempo sendo ofendido com palavras de desprezo.

No dia seguinte, a diretoria preocupada com o ambiente, preferiu demitir o treinador devido ele ter feito gestos obscenos para os torcedores, lembrando que não foi a primeira vez que ele se envolve em confusão pós partida.

Na minha opinião, o jogador deveria ser advertido. Pois respeitar o comandante faz parte da regra de qualquer  instituição ou de qualquer empresa, esse mesmo gesto de descaso, ao líder, ocorreu quando defendia o santos a quase uma década atrás.

Vamos agora falar da equipe sãopaulina que teve um dia tumultuado. Não é de hoje que o São Paulo vive uma desorganização,mas desta vez a diretoria surpreendeu de forma negativa efez pouco caso de sua própria estrutura e planejamento. Admissão de Cuca abriu a precedênciada possibilidade da chegada do Rogério Ceni voltar, mas o a diretoria optou em contratar  o técnico do toque-toque,Fernando Diniz, esquema que até agora só teve êxito no Audax.Fica a dúvida se ele trará o Sidão de volta.

Analisando todos os treinadores que saíram e entraram, acredito que a maior injustiça foi a de Zé Ricardo, no Fortaleza, onde a diretoria percebeu que o antigo treinador que deixou a equipe da Raposa, logo o contatou e com isso iniciou as negociações. É muito lamentável ver esse tipo de atitude por parte dos diretores do clube que demonstram que Rogério Ceni como fez no seu 1º clube como atleta, pode seguir o mesmo caminho na equipe do nordeste de mandar e desmandar no time.

Para o seu lugar a equipe das Minas Gerais não perdeu tempo e agradou os atletas Thiago Neves e Fred, trazendo o ex-paizão, Abel Braga.

A cada semana sou obrigado a comentar na minha coluna,  sobre demissões de  treinadores.Talvez eu precisaria expressar-me diariamente o tamanho do  descontentamento por que todos os dias um treinador no Brasil ouve a seguinte frase – Ei treinador, passe no RH.