Sidney Botelho recebe Adriana Araujo do medalhista do boxe feminino

ADRIANA ARAUJO COM SIDNEY BOTELHO

Alo Amigo! Na ultima segunda-feira, dia 22 de Março, recebi na Arquibancada Gospel Olímpica, na Rede Gospel de TV, a boxeadora Adriana Araujo, medalhista em Londres.

Conheça a história dessa grande atleta.

ADRIANA ARAÚJO

NASCIMENTO: 04 de novembro de 1981 (33 anos)

NATURALIDADE: Salvador – BA

MODALIDADE: Atleta – Boxe – Categoria peso-leve, até 60 kg

INSTITUIÇÃO: Confederação Brasileira de Boxe

  • Bronze – Jogos Olímpicos de Londres
  • 2ª colocada no Torneio Pré-Olímpico da China – 2012
  • Ouro nos Jogos Sul-americanos Medellín 2010
  • Heptacampeã brasileira
  • Pentacampeã do Campeonato Pan-americano (05/07/08/09/10)

Adriana começou no esporte, no futebol. Após ficar um tempo sem praticar, entrou no boxe, pensando em sua estética. Recebeu um convite de Aline Magalhães para fazer uma aula e acabou gostando do boxe.

Após pouco mais de um mês, Rangel Almeida, seu treinador, perguntou se ela queria lutar. Começou a viver do esporte a partir de 2002, quando realizou a primeira luta fora de seu estado, em Recife, contra Simone Duarte, uma das referências do boxe feminino e com uma luta extraordinária, viu ali, que poderia realizar um sonho de ouvir o hino de seu país, em um pódio. Ela só não sabia em qual esporte seria e desde esse dia, sabia.

Nos Jogos Olímpicos de Londres 2012, participando da categoria leve (até 60 kg), Adriana venceu a primeira luta contra a cazaque Saida Khassenova por 16 a 14, passando às quartas de final. Foi a primeira brasileira a vencer uma luta de boxe feminino em Olimpíadas. Nas quartas de final, venceu a marroquina Mahjouba Oubtil por 16 a 12, garantindo uma medalha e tornando-se o segundo brasileiro — o primeiro foi Servílio de Oliveira — e a primeira mulher a obter medalha olímpica no boxe.

O bronze conquistado por ela foi a centésima medalha brasileira em Olimpíadas.

Adriana ficou fora da equipe principal desde abril de 2013, por conta de divergências com a Confederação Brasileira de Boxe (CBBoxe), o retorno de Adriana à seleção brasileira foi sacramentado no final de fevereiro de 2014, após reunião no Ministério do Esporte.

Adriana tem certeza que em 2016 vai trazer mais orgulho para o país.

 

BOXE

Os primeiros registros do Boxe datam do Egito, por volta do ano 3.000 antes de Cristo. O esporte é praticado desde os chamados Jogos Olímpicos da Antiguidade, no final do Século VII, quando lutadores usavam tiras de couro para proteger mãos e antebraços na Grécia Antiga. Anos depois, em Roma, elas foram substituídas por uma luva com entalhes de metal, mas os combates eram muito sangrentos e sempre terminavam com a morte de algum dos participantes.

Após a queda do Império Romano, o Boxe desapareceu. O esporte voltou a ganhar força por volta do Século XVII, na Inglaterra, e lutas amadoras foram organizadas de forma oficial em 1880.

A estreia do esporte nos Jogos Olímpicos aconteceu na edição de 1904, em Saint Louis. O Boxe ficou fora da edição de 1912, em Estocolmo, porque a lei sueca à época proibia a prática das disciplinas de combate.

O Boxe retornou ao programa olímpico em 1920, quando Antuérpia, na Bélgica, recebeu os Jogos. Neste mesmo ano, foi fundada a federação internacional de boxe. Desde então, as regras evoluíram: o capacete de proteção se tornou obrigatório nas edições de 1984, em Los Angeles, enquanto em 1992, na cidade de Barcelona, foi introduzido o sistema de contagem eletrônica, entre outras mudanças.

Os Jogos de 2012, em Londres, foram palco da principal novidade no Boxe: a entrada de três categorias femininas – Mosca (48 a 51 kg), Leve (57 a 60 kg) e Médio (69 a 75 kg).

Os combates femininos tem quatro rounds com duração de dois minutos. Cinco juízes independentes alocados ao redor do ringue pontuam a luta e decidem o vencedor ao fim do último round. Os juízes estão sempre de olho nos golpes com qualidade, além de critérios como técnica, tática, competitividade e domínio. Os combates também terminam em caso de nocaute, ou nocaute técnico. O árbitro pode encerrar a luta caso acredite que um dos participantes não esteja em condições de continuar.

O formato da disputa olímpica é por eliminação direta. As chaves masculinas contam com 16 a 28 participantes, dependendo da categoria, enquanto as mulheres entrarão em chaves de 12. Os vencedores de cada lado disputam o ouro, e cada um dos perdedores das semifinais recebe uma medalha de bronze.

Para as Olimpíadas do Rio de Janeiro, a Federação Internacional de Boxe (AIBA, sigla em inglês) criou um novo sistema para permitir que lutadores profissionais participem dos Jogos pela primeira vez. Mas isso não significa que nomes como Floyd Mayweather vão estar no Rio, já que é preciso atender a alguns critérios e participar ativamente da APB (AIBA Pro Boxing), liga profissional da federação. Além disso, outras regras serão alteradas, como a obrigatoriedade do uso do capacete e de camiseta.

As categorias

O boxe olímpico passou a ter três categorias no feminino na última edição dos Jogos, em Londres-2012.

Feminino
•        Mosca (até 51kg)

  •        Leve (até 60kg)
  •        Meio-pesado (até 81kg)

Brasileiros medalhistas

– Servilio de Oliveira, bronze, Cidade do México, 1968, peso mosca, até 51kg

– Esquiva Falcão Florentino, prata, Londres, 2012, peso médio, até 75kg

– Yamaguchi Falcão Florentino, bronze, Londres,2012, meio pesado. Até 81kg

– Adriana Araújo, bronze, Londres, 2012, peso leve, até 60kg

 

Bruno atleta paralímpico na Arquibancada Gospel Olímpica

arquibancada gospel olimpica

Alo Amigo!

Na ultima segunda-feira, dia 02 de março, recebi no Programa Arquibancada Gospel Olímpica recebi o velejador BRUNO LANDGRAF DAS NEVES, que nasceu 1 de Maio de 1986 (28 anos), em São Lourenço da Serra/SP, atualmente é Paratleta – Timoeiro – Vela

Veja a sua história:

Bruno Landgraf das Neves é um ex-goleiro de futebol, jogou no São Paulo e Seleção Brasileira. Atualmente é um velejador paraolímpico.

Chegou as categorias de base do São Paulo Futebol Clube ainda bem jovem, em 1998, sendo considerado uma das grandes promessas para o futebol brasileiro no futuro.

O jovem goleiro foi convocado diversas vezes para as categorias de base da Seleção Brasileira, inclusive participando da conquista da Copa do Mundo de Futebol Sub-17 em 2003.

Tudo isso antes mesmo de se tornar profissional, o que aconteceu em 2005, no próprio São Paulo. Neste ano o jogador foi ainda convocado para a Copa do Mundo de Futebol Sub-20. Em 2006 Bruno era o terceiro goleiro do São Paulo, e muitos já o consideravam o substituto de Rogério Ceni nos próximos anos.

Em 11 de Agosto de 2006, Bruno sofreu um acidente automobilístico enquanto dirigia um veículo na Rodovia Régis Bittencourt. Além dele, estavam no carro o quarto goleiro do São Paulo, Weverson Eron Maldonado Saffiotti, e as jogadoras de Vôlei do Finasa/Osasco Natália Lani Sena Manfrim, Paula Carbonari Gomes do Monte e Clarice Benício Peixoto.

O acidente, no qual não se sabe a causa, acabou resultando na morte de Weverson e de Natália, e Bruno acabou tendo um gravíssimo deslocamento na coluna, lhe deixando tetraplégico, acabando precocemente assim com a sua carreira. Passou oito meses e 12 dias internado.

Depois de quatro anos, a clausura das paredes do quarto se transformou na indescritível sensação de liberdade. Desde 2009, veleja duas vezes por semana no clube da Associação dos Servidores do Banco Central (ASBAC), localizado na represa de Guarapiranga, Região Metropolitana de São Paulo.

Entre as sessões de fisioterapia na Unicid, uma professora da universidade foi quem apresentou Bruno ao esporte que tomaria conta de sua vida Acompanhado do pai Luiz, Bruno procurou o ASBAC e a primeira vez deu aos integrantes do clube a quase certeza de que não haveria outra.

O dia estava feio, a chuva batia contra seu corpo e a ausência de movimento de tronco tornava necessária a presença de alguém que servisse como suporte no barco adaptado. Bruno precisa da ajuda de equipe e pai quando sai da cadeira de rodas para o barco. Lá dentro, é o capitão. O timoneiro. É ele quem decide os rumos do novo veículo de trabalho.

Em Julho de 2011, conquistou no Mundial, que reuniu os melhores velejadores com deficiência do mundo, em Weymouth, na Inglaterra a inédita vaga para Londres 2012 na classe Skud 18.

Bruno teve o auxílio de um dos maiores velejadores da história do esporte, o campeão olímpico Robert Scheidt, que promoveu um leilão para arrecadar fundos para disponibilizar o barco de treinamento de Bruno.

Outro campeão que cruzou seu caminho foi o maior ídolo de seu clube do coração, Rogério Ceni. Rogério ao longo da evolução de Bruno nas categorias de base, dizia que o jovem seria seu sucessor. Após o acidente, durante os nove meses em que Bruno ficou internado no hospital, Rogério o visitava todos os dias antes do treino.

Até hoje o goleiro do tricolor paulista leva Bruno para almoçar no Centro de Treinamento do clube paulistano uma vez ao mês.

Títulos no futebol: Copa do Mundo Sub-17 – 2003 e Campeonato Mundial Sub-20: 2005 (3º colocado).

Produção: Camila Andrade e Apresentação de Sidney Botelho

Sidney Botelho recebe Aline Rocha e Grummy na Arquibancada Olímpica

Alo Amigo!

Que honra receber, nesta segunda-feira dia 09/02/2015, dois atletas que são nomes importantes para a nosso país. Aline Rocha, atleta paralímpica e tri-campeã da São Silvestre, além do Neymar do polo-aquático Gustavo Grummy Guimarães – Water Polo.
O programa Arquibancada Gospel Olímpica vai ar todas as segundas-feiras, 18:30, na Rede Gospel e tenho o comentário do ex-arbitro de futebol Cesar Coronado. Produção de Camila Andrade e edição de Elaine Ruivo, direção da Karen Chrisostomo e apresentação de Sidney Botelho.
Divulguem!

Estamos nos canais 26 (Net) , 53 (UHF) e na internet www.redegospel.tv.br

Jogos Olímpicos e Paralímpicos

Arquibancada Gospel esta de volta na Rede Gospel com Sidney Botelho

 

Alo Amigo! É com grande satisfação que anuncio que a partir do próximo todas as segundas-feiras, apresentarei o Arquibancada Gospel Olímpico e Paralímpico, na Rede Gospel de TV.

O programa irá ao ar as 18:30hs, com participação do árbitro de futebol César Coronado, do narrador Anderson Silva, os repórteres Rodrigo Bittar  e Guto Monte Ablas, todas os três da Rádio Premium Esportes.

Na estreia estarão a paraatleta Larissa Nascimento (natação), a atleta Caroline Kumahara (Tênis de Mesa) e a goleira Monique Somose, além do Coronado.

A direção é de Karen Chrisóstomo, produção Elaine Ruivo e colaboração de Camila Andrade (Rádio Premium Esportes).

O apresentador Sidney Botelho agradece muito a oportunidade oferecida pela a emissora, pois junto com a própria Karen, apresentam o Diário de Notícias.

O carinho eterno aos responsáveis pela emissora Apóstolo Estevam Hernandes, Bispas Sonia Hernandes e Fernanda Hernandes.

O Arquibancada Gospel também tem sua edição pela Rádio Gospel FM, durante o Programa Manhã Gospel, apresentado por Giba de Jesus, produzido pelo jornalista Luiz Roberto Moura.

Para assistir – Canais 26 (NET) e 53 (UHF), pela internet – www.redegospel.tv.br.

Para ouvir, as segundas, quartas e sextas as 9:50hs, basta sintonizar 90,1 FM.

Agora é só curtir!

 

 

Quem vai passar de ano? Alguns estão na recuperação, certo Palmeiras?

Alo Amigo! Agora estou aqui as sextas-feiras com os comentários e as observações que ocorrem no esporte brasileiro, principalmente o futebol.

Nesta semana, vou destacar o fim do ultimo campeonato que os jogadores brasileiros disputarão, neste ano de 2014.

Muito coisa esta definida e algumas ficaram para a ultima hora, o mais importante já foi definido algumas semanas atrás, quando o titulo foi confirmado ao Cruzeiro, que levanta o caneco, pelo segundo ano consecutivo. Merecido? Lógico, o time mais estruturado do futebol nacional, com planejamento e um plantel eficaz e o comando de um treinador esquecido, quando falamos de estrelões, Marcelo Oliveira.

Mas vamos ao que mais interessa e que não quer parar de ser comentado, nos bares de todo o Brasil, será que o Palmeiras vai resistir e se manter na primeira divisão?

Uma duvida paira na cabeça no ar, porque o Verdão chegou a essa situação e tem, em 90 minutos, decidir sua vida em uma história centenária. Será muito difícil pois o Palmeiras não conseguiu mostrar regularidade, na temporada, e em um único jogo tentará não manchar pela terceira vez a honra de muitos que passaram pela Academia. O Atlético-PR não tem nada a perder, pois entrará em campo sem pretensões alguma. Talvez os olhares dos palmeirenses estarão para o telão, da belíssima arena, para acompanharem os resultados dos jogos de Vitória e Bahia.

Já foram para a Série B, Botafogo e Crisciuma, lamentavelmente o primeiro apresentou problemas gerais de que não são sanados há anos ou décadas. Se cair resolvessem os problemas os botafoguenses seriam os campeões disparados dos torneios, mas não vemos isso, nem nesta equipe e muito menos em outras que já amargaram o descenso outras vezes.

Na parte de cima a única atratividade será o Corinthians e o Internacional que brigam para não ficarem no grupo do São Paulo, na Libertadores da América, em 2015, pois ali enfrentarão a repescagem e na sequência, a chave com os brasileiros e o argentino San Lorenzo (time do Papa), o uruguaio do Danúbio e uma equipe colombiana, que não foi definida. O que fazer nesta hora? Vencer, claro!

Eu acredito que Timão não jogará a pré-Libertadores e o  Palmeiras não cairá para a Série B. Daí você me pergunta, amigo torcedor, porque tanto bairrismo, porque os dois são mais qualificados que Internacional-RS, no caso da disputa pela vaga e Vitória e Bahia, na briga pela sobrevivência.

O que me deixa mais incomodado é que as equipes deixam para se dedicarem apenas após o segundo turno, levando a vida como uma criança em processo escolar, que passa o ano no vermelho e espera os dois ultimo bimestres para definir o futuro e levar apenas três matérias para a recuperação. Mas, passar de ano é obrigação de todos, mas quatro serão premiados e outros nem a salvadora recuperação lhes darão a sobrevida.

O fim chegou para um grande!

Alo Amigo! O domingo é de finados e quem esta de luto é o torcedor da Portuguesa, que amargou, no meio de semana, mais um rebaixamento no Campeonato Nacional, dessa vez para a série C do torneio.

É lamentável observar uma tradicional história se manchando decorrentes a falhas e erros de administrações dos últimos dois presidentes José Ilídio da Fonseca Lico e Manuel da Lupa. Eu vejo que são amadores para administrarem um clube do porte do que eles gerenciam.

No ano passado, a Lusa caiu por um erro de escalação do jogo Heverton, que culminou em perda de pontos e continuidade do Fluminense na elite do futebol brasileiro.

Erro técnico ou erro administrativo? Lógico que é administrativo, pois como não conseguem avaliar um jogador punido pelos órgãos que gerenciam a competição. Outro ponto, o treinador Guto Ferreira, não consegue descobrir se todos os atletas estavam liberados? Outro erro de gestão!

É lamentável observarmos o fim de uma equipe que disputou finais de competições estadual e nacional e, ao contrário de muitos clubes, possui o próprio estádio que não consegue manter a regularidade de publico, já que o próprio publico não colabora para o arrecadamento de receita para o clube.

Mas o que fazer a partir de agora? Simplesmente, é parar e mudar. Montar a estrutura organizacional e criar convênios com empresas e porque não, padarias que mantêm a cultura e a origem lusitana.

Outra situação e opção é criar uma parceria urgente com os grandes da capital, como Corinthians, Palmeiras e São Paulo. Creio que, neste momento, seja a melhor solução, sendo que a Federação Paulista e a CBF não ajudarão em nada, isso é verdade!

Então, Portuguesa de Desportos, meus pêsames!

Futebol no Brasil – o país do futuro, será?

Alo Amigo! Que semana de muito futebol com direito a duas vitórias da seleção brasileira e eliminações na Copa do Brasil de clubes importantes para o futebol nacional e principalmente, para o futebol do nosso Estado.

Foi uma semana muito complicada para o Corinthians que viu a sua grande oportunidade de chegar a Copa Libertadores da América, pelo caminho mais curto, como diz o outro, naufragar. O clube paulista não conseguiu segurar a força do Atlético-MG, que mostrou que possui um elenco qualificadíssimo para chegar a decisão da segunda competição mais importante do nosso país.

O Timão começou vencendo, por 1 a 0, mas diferente do técnico Mano Menezes, o treinador do Galo, obrigou a diretoria em bancar o retorno do atacante Diego Tardelli para que tornasse uma das peças fundamentais na goleada sofrida pelo o time mosqueteiro. Atlético classificado e enfrenta o Flamengo, nas semifinais, talvez com mais facilidade do que teve diante do ultimo adversário.

Outro mineiro que brilha e quem ninguém para é o Cruzeiro, que além de líder do Campeonato Brasileiro, esta classificado para as semifinais da Copa do Brasil e enfrentará o Santos que afundou o Botafogo. Alías, com todo respeito a história do Fogão, esta na hora da diretoria pensar com o tamanho das glórias do time dos mágicos Garrincha e Zagallo.

O meu receio é que o time carioca chegue ao mesmo destino da Portuguesa, que desaponta o seu torcedor com fracassos e mais fracassos.

Muitas vezes eu já afirmara, aqui na minha coluna, que o futebol precisa de profissionais do ramo e não amadores ou ex-atletas que pensam que entendem de administração de um clube. Não há mais espaço para o amadorismo ou o fanatismo, se não possuir conhecimento e cultura. Ah, serve para política também, pois deveríamos ver os aventureiros que ficam no comando destruindo sonhos e frustrando as pessoas com outros olhos e reprimi-los com votos, sem benefícios alheios.

Para mim os exemplos de boas administrações são Cruzeiro, Atlético-MG e Internacional, que se mostram modernos e com pensamentos a longo prazo e não projetos audaciosos com tempo de vida curto e ineficaz para um futuro promissor.

Sempre queremos vencer, mas a derrota nos serve para avaliarmos as falhas e corrigimos vícios ou mudarmos hábitos que não são mais adequados para o mundo contemporâneo.

O futebol é milionário, mas não evolui como outros setores corporativos. Em minha opinião se somos considerados terceiro mundo nos demais setores, imagine no quesito administração do futebol? Estamos longe! Devemos ser subdesenvolvidos, o que é lamentável para os dias atuais.

Mas não desanime com a situação e sim, tenha em mente que podemos ser felizes com a bola na rede, pois é a única forma de nos diferenciarmos de alguns países. Veja que eu disse alguns países, pois somos inferiores a muitos outros.

Futebol de qualidade no Morumbi – encontro de craques!

Alo Amigo!

O futebol brasileiro ganha um tempero de muita qualidade, neste domingo, quando as duas principais equipes do campeonato local se encontram para um duelo de auto-conhecimento e identificação com o bom desempenho técnico esperado pelos exigentes torcedores correspondentes.

São Paulo e Cruzeiro fazem um jogão de bola, na qual o time mineiro mostra supremacia diante a todas as demais equipes do território nacional. A superioridade da equipe é de total responsabilidade do conjunto de atletas que conquistaram o respectivo espaço e como destaques nos jogos, estão ganhando chances com o treinador da seleção brasileira.

Já a equipe de Muricy Ramalho, o time esta encontrando o melhor futebol diante da grande fase que vivem alguns atletas desacreditados, no ano passado, por exemplo, Alexandre Pato e Paulo Henrique Ganso. Ambos estão preparados e motivados e com a qualidade que possuem estão voltando aos holofotes do cenário futebolístico, especulados a voltarem a vestir a camisa do Brasil. Mérito a chegada de Kaká, que deu um glamour ao time e um requinte especial.

A partida é a marca de duas equipes que jogam muito parecidas. Os tricolores estão com oito jogos de invencibilidade, embalados pelo quarteto ofensivo, formado por Alan Kardec, Alexandre Pato, Kaká e Paulo Henrique Ganso. No entanto, o Cruzeiro também aposta em seus quatro jogadores mais avançados. Os dois artilheiros da competição, Marcelo Moreno e Ricardo Goulart, contam ainda com a companhia de Everton Ribeiro e Julio Baptista. E se avaliarmos as estatísticas, é o quarteto da Raposa quem leva a vantagem no duelo, com maior número de passes gols, assistências e desarmes.

Outro embate será entre os dois goleiros, dois paredões que são ovacionados por suas torcidas e não muito queridos pelo torcedor brasileiro em geral. Fábio e Rogério Ceni são dois grandes responsáveis pelos resultados positivos. As idades são distintas, mas a qualidade é equiparada. As discordâncias dos lideres muitas vezes ofuscam a dedicação deles para os clubes que os acolheram e lhes deram total ambiente para se tornarem referência na posição. O jogador azul esta em melhor fase, mas o tricolor tem o seu diferencial e pode dizer que o adversário é um mito em levar gols dele, o Atleta do Cruzeiro já levou seis gols do goleiro São Paulo, sendo três de falta e três de pênalti. Foram cinco jogando pela Raposa e um pelo Vasco da Gama.

Amigo, torcedor, será uma grande tarde, pois o Morumbi estará lotado para acompanhar um espetáculo a parte de uma competição que tem tudo para se tornar monótona, caso o time das Minas Gerais conquiste mais três pontos. Mas que será difícil será e pra mim, qualquer resultado quem ganha é você com o desempenho de grandes craques do nosso futebol pentacampeão.

Falando em alto nível, na quarta-feira próxima Edmar Ferreira e Eu embarcamos para mais um desafio na carreira, transmitir a Copa Europa pela TV Cidade de Osasco. Passaremos por Portugal e Espanha com a mesma equipe que esteve em Cancún, no México, em Abril passado. É a união de dois profissionais que juntos estamos a 14 anos empunhando microfones por esse país.

Bom domingo!

Para o futebol brasileiro – Independência ou morte!

Alo Amigo! A semana foi de mudanças no Palmeiras e no Santos devido as decisões das diretorias em demitirem os respectivos treinadores Ricardo Gareca e Oswaldo Oliveira.

Não muito diferente do que já estamos acostumados, os clubes não conseguem planejar corretamente e fazem vistas grossas quando se trata de comando de equipes.

Sabemos que, na atualidade, não existem profissionais qualificados para a nova realidade do futebol mundial. Os treinadores brasileiros estão obsoletos se compararmos com os estrangeiros, mas falo de estrangeiros de grandes centros de pratica futebolística e não de país com as mesmas limitações que temos nos dias de hoje.

O Verdão que fez essa mudança pensando em uma novidade milagrosa para todos os problemas que cercam o clube, que chegou ao seu centenário, sem perspectiva alguma para um futuro de glórias como foram no passado de sua tradicional academia.

Paulo Nobre, grande empresário, não esta sabendo administrar o clube e por muitas vezes devido ao amor alviverde, investe do próprio bolso para apoiar em negociações frustrantes e sem efetividade.

O Palmeiras não é limitado, mas esta sem estrutura de clube, sem força de reação, sem conjunto dos pares, ou seja, o conjunto que qualquer gestão precisa, entendimento entre as áreas em pról do mesmo objetivo, que seria a conquista de títulos. Os objetivos dos últimos anos, do Verdão, foram apenas se manter em evidência, no mais popular ditado do futebol, na primeira divisão. Esta difícil e os torcedores, que estão pacientemente apoiando, acostumaram-se com a rotina desastrosa dos elencos das ultimas três temporadas.

Já no Santos, os últimos presidentes foram o mais atrapalhados possíveis. Como a Seleção Brasileira, apenas uma dependência – Neymar. Mas a era do menino de ouro passou e o clube também, voltou a ser o clube sem esperança da década de 1990, quando apenas entrava para disputar sem a expectativa de levantar o caneco, ao término das competições. Mudaram os planos quando, por sorte, os meninos da vila surgiam, mas como em qualquer clube brasileiro, os empresários pressionavam para que os jovens craques fossem negociados para lucrarem com as revelações.

É triste vermos dois clubes se extinguirem por pessoas que não conseguem administrar grandes histórias e tradicionais camisas. Defendo à anos a profissionalização dos clubes com administradores especializados no futebol e gestão de marketing focados ao esporte e não apenas para satisfazerem o próprio ego ou até mesmo agradar a minoria, deixando de lado os princípios e os verdadeiros valores que os clubes conquistaram ao longo da fundação.

O reflexo é muito grande, pois não vemos a luz no final do túnel decorrente ao amadorismo que reina na monarquia clubista do nosso país. Mas fica a duvida, será que eles estão preparados para a mudança? Logicamente NÃO! Então, que seja feito como em 1822, os clubes anunciarem Independência ou morte!

Bom domingo! 

Já chega de racismo!

Alo Amigo!

A coluna Dá-lhe Dá-lhe no Gol, desta semana, repudia a ação do da torcida gremista que não se conteve em criticar e ofender o goleiro Aranha do Santos, em jogo em sua arena.

O tratamento recebimento pelo atleta santista ultrapassam todas as esferas de respeito ao profissional ou o ser-humano, que saiu criticando a ação daqueles que sem sensibilidade alguma fizeram o maior vexame de um clube de muitas glórias e realizações.

Torcer e apoiar o seu clube e não combater o adversário com pedras e paus, xingamentos e menosprezos.

As atitudes destes “torcedores” transcendem a função de ser torcedor, pois não houve desportividade e sim ofensas civis que a justiça comum deverá avaliar e tomar as providências cabíveis para esse nova realidade.

Não podemos mais tolerar tudo isso no nosso país e muito menos em todo nosso planeta.

A discriminação a culturas, povos ou crenças, esta enraizada no relacionamento entre as pessoas de todas as classes sociais. Ninguém sabe tratar a pessoa como ser tratada verdadeiramente.

As imagens registradas dos torcedores servirão para que a sociedade identifique-os e se restrinja em situações constrangedoras e de comoções publicas.

Aqui lembramos de guerras por questões religiosos, guerras por terras e não podemos regredir e voltarmos a ter guerras por cores de pele.

Racismo nunca mais! Basta! Vamos viver em harmonia e aproveitar as pessoas como elas são.